Um espaço para compartilhar ideias e informações sobre Educação Infantil

Um espaço para compartilhar ideias e informações sobre Educação Infantil

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Travessuras de criança



Faz pouco tempo uma rede de TV expôs a história do Seu Leonino: quando era menino, ele teve que abandonar a escola por ordem do pai, só porque perdeu um lápis. “Ele queria até me bater e falou que eu não ia mais para a escola, porque tinha perdido esse lápis”, revelou. Sem dúvida, essa é uma história muito triste. 
Agora, retornando a situação representada pela charge, surge a questão: o que fazer? Como ensinar a criança o certo e o errado, educá-la, sem tomar atitudes de ímpeto?
Um aspecto a ser pensado: será que no momento que nos deparamos com o que chamamos de “grande travessura” paramos para, primeiro, ouvir a criança e, depois, a partir de suas hipóteses (tudo o que pode ter dentro de um lápis!) conscientizá-la sobre o certo, o errado e as conseqüências do que ela fez?  
Por exemplo, no Ciranda as crianças são motivadas a desenvolver seus registros: o que fez, como resolveu, o que já sabe, como pensou...  Na escola, ela cria o hábito; em casa, precisam ser disponibilizados papel e lápis, no mínimo, e combinadas as regras para que a criança exerça esse hábito.   
A reflexão é importante: precisamos cuidar das nossas ações de adulto para não derramar sobre a criança mais uma triste história. 

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Brinquedos: Smurfs, carros, toy story ... ou o amigo imaginário?





Quem resiste ao caubói Woody e o destemido Buzz Lightyear? E a simpatia do Mate e expertise do McQueen? Quem não morre de amores pelas pequenas criaturas azuis que dão sentido a palavra cooperação?

É o mundo infantil conquistando todas as idades. Entre as crianças, verdadeira “febre”; entre os adultos, o medo das crianças enxergarem as vitrines e expressarem o conhecido: eu quero!!!

Como lidar com essa febre preservando a criança do consumo incontrolável? Alguém tem uma boa ideia?     

Vamos dar uma: fazer brinquedos em casa com materiais domésticos comuns!

É uma diversão para você e para a criançada. 

Em alguns minutos... Uma produção fascinante! Botões viram rodinha de carro ou olho da boneca. Retalhos, macarrão e feijão crus, garrafa pet, caixas vazias, tampinhas de garrafa ... 
Convide a criança para fazer uma criação. Deixe-a fazer as escolhas. Um robô, um carrinho, uma boneca...  Pergunte como ela quer fazer. A criança comanda e você ajuda, dá ideias, estimula novas ideias. 
"Mas o brinquedo fica tortinho e bem estranho!" Não tenha essa preocupação. Acredite: para a criança, uma produção própria é sempre perfeição. Valorize! 
Outra ideia, a tempo de preparar para o Natal: que tal surpreender a criança com um brinquedo personalizado, criado a partir de um desenho feito por ela? 
Essa não é uma ideia nova. Veja um resumo da reportagem do THE SUN de 31/10/2011:  Wendy Tsao, de Vancouver, no Canadá, teve a brilhante ideia de produzir algo que o filho pudesse reconhecer como seu, por ser projetado por ele próprio. Assim Wendy criou seu primeiro boneco. O amigo imaginário de seu filho virou um macio amigo real.


Na atualidade Wendy se especializou. Papais e mamães enviam desenhos de seus filhotes para que ela produza brinquedos exclusivos. Interessante, não?
Que tal seguir a ideia de Wendy, pedir para que seu filho faça um desenho de seu melhor amigo e... crie, use a imaginação!


sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Falando em Natureza e Sociedade...

como acontece no CIRANDA?


No eixo Natureza e Sociedade, no qual são trabalhadas questões relativas às ciências, ambiente, valores, entre outros, o brincar aparece em diversos momentos – inclusive porque se trata de uma manifestação universal, que revela muito sobre a cultura de diferentes tradições.


No material dirigido às crianças de 4 anos, por exemplo, elas desenvolvem diferentes brincadeiras com sementes, um recurso comum entre populações rurais e indígenas.


Enquanto isso, meninos e meninas de 5 anos aprendem sobre a vida dos índios construindo um brinquedo típico dos povos da floresta – a peteca. Na mesma turma, tomam contato com a cultura japonesa aprendendo a produzir alguns origamis, ou seja, figuras em papel a partir de dobraduras, sem uso de tesoura e cola.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Falando em Linguagem...

como acontece no CIRANDA?
O brincar e as brincadeiras são indissociáveis do uso das diversas formas de linguagem. Afinal, os jogos requerem a comunicação, seja para a compreensão das regras, seja para o
relacionamento entre os diferentes participantes.


Ao mesmo tempo, nas histórias infantis, nas parlendas, nas quadras, sempre relacionadas às histórias, a linguagem está em primeiro plano.


Por isso, o brincar e a aprendizagem de linguagem caminham juntos no material pedagógico do Ciranda. As crianças de 5 anos, por exemplo, jogam um dominó em que as peças recebem o nome das crianças da sala.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Falando em arte...

como acontece no CIRANDA?


Na infância, a expressão artística se confunde com as demais linguagens. É impossível separar o brincar da arte.


No Ciranda, as crianças são encorajadas a explorar o ambiente e a expressarem-se por meio de palavras, movimentos, desenhos, dramatizações, colagens e músicas.




No brincar, como na arte, a criança transita entre o mundo concreto e o imaginário, aprendendo com liberdade e de forma lúdica. 


Com barbantes – um item comum nas brincadeiras infantis – as crianças de 5 anos fazem diferentes traçados na sala de aula e assim aprendem sobre um dos princípios elementares da arte, o desenho da linha.



terça-feira, 29 de novembro de 2011

Falando em Matemática...

como acontece no CIRANDA?


No Projeto Ciranda, não há lugar na Matemática para um aluno “sem corpo”.


Aqui, as brincadeiras infantis abrem um canal para explorar de modo bastante diferente ideias referentes a números, medidas, geometria, entre outras áreas.


Um exemplo bem interessante é a brincadeira do boliche, utilizado no material para as crianças de 5 anos. É uma típica de atividade com bola.
As brincadeiras com bola, além da participação ativa dos alunos, dão uma grande contribuição ao trabalho educacional.


Em Matemática, as brincadeiras com bola auxiliam no desenvolvimento de habilidades tais como noção de espaço, tempo, direção, sentido, identificação e comparação de formas
geométricas (bola e círculo), contagem, comparação de quantidades, noção de adição.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Brincar é aprender



Criança brinca. E ponto. Todos sabem disso. Não há expressão humana mais
característica da infância. Contudo, a ideia que os adultos em geral fazem da brincadeira se limita à diversão e à fantasia.


Mas o brincar é bem mais do que isso: quando estão brincando, as crianças estão
aprendendo sobre a vida, sobre o ambiente, sobre o relacionamento com o outro, sobre regras, sobre si mesmas.


Brincar é uma forma de conhecer os limites e as possibilidades do movimento, de levar a
curiosidade ao máximo, de explorar o universo com o sabor de quem vive tudo pela primeira vez. É assim mesmo.


O brincar infantil é, também, uma forma de fantasiar sobre a vida adulta. Ao brincar de
casinha, de mecânico, de herói, por exemplo, as crianças tentam compreender a dinâmica do universo adulto, descobrir como funciona.


É por isso que uma boa escola de educação infantil deve priorizar o brincar, incorporando-o como um processo essencial da infância – na verdade, estamos falando de um direito da
criança.


Assim faz o Projeto Ciranda. O brincar é uma das linhas mestras do projeto, fazendo parte da organização de todas as atividades propostas.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Site do CIRANDA

A criança aprende brincando 

No nosso site você encontrará ótimas razões para conhecer melhor o CIRANDA. 

Preserva o direito da criança em ser criança
www.colecaociranda.com.br 
Formação permanente dos professores, coordenadores e diretores de escola.

Entre em contato e marque uma entrevista.



Material de qualidade

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Mathema - CIRANDA no II SERP

Aconteceu na UNESP - RIO CLARO, o II SERP - Seminário em Resolução de Problemas, com a presença de todo o grupo Mathema, dentre eles, alguns autores e coordenadores do Ciranda.  
A Coordenadora  do Mathema, Maria Ignez Diniz,  fez uma fala no painel de abertura do evento, dia 10/11, com foco na Resolução de Problemas no Mundo. Dia 11/11, foi a vez de  Kátia Smole, também coordenadora do Mathema, com uma fala sobre as finalidades da Resolução de Problemas nos anos iniciais da escolaridade básica.

Sob o tema "o estado da arte da pesquisa em resolução de problema" este evento acontece com o  intuito de promover momentos de estudo, de reflexão e troca de experiências acerca da Resolução de Problemas no Brasil e no mundo, através de relatos de experiência, comunicações de pesquisas desenvolvidas por professores, alunos e comunidades científicas, assim como uma articulação de debates entre os participantes e convidados nacionais e estrangeiros.


O GTERP – Grupo de Trabalho e Estudos em Resolução de Problemas, coordenado pela Profa. Dra. Lourdes de la Rosa Onuchic, tem sido o núcleo gerador de atividades de aperfeiçoamento, de investigações e de produção científica na linha de Resolução de Problemas em Educação Matemática. 

  Dra. Lourdes Onuchic, uma vida profissional dedicada a pensar sobre Educação Matemática,  apresenta  palestra no II SERP.

A proposta geral de realizar o II SERP é dar ênfase às pesquisas realizadas em Resolução de Problemas no país e no mundo podendo, assim, contribuir com novos projetos e colaborar com a difusão da Resolução de Problemas em nosso país. A Resolução de Problemas, como abordagem metodológica, tem sido recomendada em documentos oficiais de ensino, como pretendido nos Parâmetros Curriculares Nacionais e em outros internacionais.





As novas amizades do CIRANDA!

As recentes amizades que o CIRANDA fez, para apresentar o seu Projeto.


Guaratinguetá
 
Localizada na região do Vale do Paraíba, no Estado de São Paulo, envolta pelas serras da Mantiqueira e Quebra-Cangalha. Cidade em que nasceu Frei Galvão, primeiro santo católico brasileiro, Guaratinguetá destaca-se, juntamente com Aparecida, município vizinho, no circuito de fé dos católicos. Mas, como um grande centro da região, também se projeta no turismo diversificado, urbano, histórico e ecológico, na indústria e no comércio. 





Pindamonhangaba



Com nome indígena que significa "lugar onde se fazem anzóis", Pindamonhangaba é uma cidade de clima agradável por estar situada no centro do Vale do Paraíba paulista e muito próxima as Serras da Mantiqueira, Quebra Galho e da Serra do Mar. Tem uma enorme lista de filhos ilustres, poetas, escritores, atores, políticos, dentre eles o Governador do Estado de São Paulo. 

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Uma dinâmica aula de resolução de problemas na Educação Infantil, com Kátia Smole.

Para acompanhar o trabalho com a matemática, realizado na Escola Municipal de Educação Infantil Owen Zilio de Jundiaí, parceira do CIRANDA,  a produção da Univesp TV convidou Kátia Stocco Smole, doutora em educação pela USP e Coordenadora do Mathema.

Neste programa, é possível observar o movimento de ensino e aprendizagem que acontece em sala de aula e perceber como as crianças aprendem no processo de resolução de problemas.

As professoras, que recebem formação do Ciranda, estimulam as crianças e falam sobre os objetivos e a organização das atividades.

Kátia Smole observou o desenvolvimento das atividades com as crianças e explicou a importância da resolução de problemas para o desenvolvimento infantil, transformando a reportagem em uma verdadeira aula sobre resolução de problemas.

Assista aqui.  


sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Avião: movimento, tecnologia, ciência, artes, brincadeira e diferentes formas de expressar.

Você já brincou de avião com as crianças? É muito divertido.
Vamos brincar de avião? Como é que o avião faz?
Ao convidá-las você perceberá que muitas delas abrirão os braços e começarão a correr fazendo um barulho intenso. É divertido. Todos correm com os braços abertos.
Estimule as crianças a dar asas à imaginação.  Diga, vamos pousar?
O que as crianças fazem?  
Agachando, pára! Diga, vamos decolar? 
O que as crianças fazem?  
Levantando lentamente, ampliando o barulho com a boca, todos partem para mais um voo, representando com o corpo o que vêem no céu, nos desenhos animados ou em simples propagandas da TV.
Deixe-as brincar, decolar, pousar, imaginar, imitar...
E os pássaros, como fazem? 
Como as crianças vão agir? Que diferenças entre a tecnologia de asas e o ser vivo de asas eles irão  destacar? Bater as asas, modificar o som?  É incrível a capacidade da criança em criar saídas para os problemas que lhes são propostos. Vale apreciar, investigar, instigar!


Hora de representar o vôo usando seu próprio estilo de fazer arte.  Não tente descobrir, dentre as crianças, o pintor gênio ou  transformá-los em críticos de arte. O que você quer é que cada um expresse a brincadeira. Suas marcas, seus traçados expressarão o que sentiu, o que viu, o que sabe, o que foi mais importante ou marcante (o vôo do pássaro, o rugido do avião, a decolagem...). As crianças expressam suas idéias e emoções de várias maneiras. 
Ao expor a arte de todos em um painel, para que a produção de cada um possa ser apreciada por todos, as crianças perceberão os diferentes estilos, as várias formas e cores, e se aproximam do  entendimento de que o mundo pode ser visto de diferentes maneiras, por diferentes pessoas

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Coisas que a gente pega e coisas que a gente não pega

Uma dica de literatura infantil

A sinopse desse deste livro  tem o gostinho de quero mais. Veja:

No mundo existem coisas que as pessoas podem tocar e outras que é impossível pegar.

Este livro mostra os dois tipos de coisas. Uma fotografia, um pedaço de bolo, uma concha, um sapato - objetos que se consegue pegar. E as que não dão para pegar? As sensações, os sentimentos provocados por elas que ficam com as pessoas, como o calor do sol, o som de uma música, um cheiro, uma lembrança, uma saudade.

Autor:  Ivo Minkovicius                                                                                Editora de Cultura

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Ciranda fazendo novas amizades!

Trabalhamos, mas também rimos muito fazendo novas amizades!

As recentes amizades que o CIRANDA fez, para apresentar o seu Projeto.

Vinhedo



A preservação das tradições e da cultura daqueles que ajudaram a construir o município, bandeirantes e tropeiros, e da áurea era  de  produção de uva e vinho.


Queluz  





A cidade das belas cachoeiras nas imediações da fronteira entre RJ, MG e SP e com marcos culturais da era do café. 




Aparecida 




Cidade em que a história é registrada em um relógio das flores. É a estância Turístico – Religiosa, nascida de um milagre. 



quarta-feira, 26 de outubro de 2011

A educação do movimento: uma entrevista com Kelly Flores


Mestre em Educação Física pela Universidade de São Paulo (USP), Kelly Zopei Flores é uma das autoras do Projeto Ciranda, na área de Movimento. Além de professora de Educação Infantil e Ensino Fundamental, Kelly é pesquisadora do Laboratório de Pedagogia do Movimento Humano da USP.

Para falar sobre a importância do movimento para as crianças, Kelly dá essa breve entrevista.

  • O que o movimento corporal tem a ver com o brincar e com o aprender?

Kelly Flores: De fato, as primeiras descobertas do bebê acontecem por meio das explorações de movimento, o que permite a ele começar a conhecer a si, aos outros, aos objetos e ao ambiente. É por isso que, neste período da vida, percebe-se uma grande atividade corporal: pegar, sugar, sentar, rolar, engatinhar, andar, correr, arremessar.
Isso ocorre porque a criança ainda não dispõe de outros recursos se não os movimentos corporais, que serão as bases para a elaboração dos outros sistemas: cognitivo, afetivo e o próprio sistema motor, à medida que adquire controle maior do corpo.

  • Como o brincar aparece no Projeto Ciranda?

Kelly Flores: Uma das características fundamentais do Projeto Ciranda é o trabalho com jogos e brincadeiras. 
O objetivo dos jogos é fazer com que provoquem nas crianças uma postura de investigação, de curiosidade, permitindo-lhes lançar e testar hipóteses, de modo a construir e reconstruir o próprio conhecimento. Nesse processo, abre-se um espaço de negociação entre diferentes pontos de vista para que, no final, cheguem a um acordo.
As brincadeiras da cultura popular têm, por sua vez, um lugar privilegiado no  material. Como sabemos, ao brincar, a criança expressa sentimentos, emoções, identifica as partes do corpo, descobre movimentos que o corpo pode fazer, adquirindo, no processo, gradativamente o controle corporal.
Além disso, o trabalho com as brincadeiras busca permitir à criança conhecer e partilhar da cultura corporal de movimento, um dos objetivos centrais do trabalho proposto.

  • Qual é a importância dos movimentos corporais para as crianças? Como as escolas trabalham, geralmente, sobre o tema?

Kelly Flores: De um modo geral, nas escolas, os movimentos corporais continuam sendo trabalhados de forma estereotipada e repetitiva. Além disso, são muito comuns práticas nas quais o professor compara os alunos em relação aos movimentos realizados, exaltando os “habilidosos”. Isso porque, nesse tipo de concepção, o objetivo principal da aula seria alcançar uma suposta “execução correta” do movimento apresentado. 
O que se busca, nesse caso, é a padronização dos movimentos, desconsiderando que cada criança apresenta um ritmo próprio e que as diferenças individuais existem.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Que tal acessar o site do Ciranda e conhecer um pouco mais sobre o PROJETO CIRANDA?

Acesse www.colecaociranda.com.br

Desde a inauguração do nosso site, em julho deste ano, na enquete "O QUE VOCÊ ACHOU DO NOVO SITE DO CIRANDA?", 64% dos visitantes registraram SURPREENDEU!  e 36%, MUITO BOM! 

Vá lá.  Conheça o Ciranda!
Aproveite para responder nossa enquete. 

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Infância dos 3 aos 5 anos: um tempo especial da vida

Em seis meses, o cérebro de um recém-nascido dobra de volume. Em 2 anos, triplica. Aos 5 anos, atinge o tamanho de um cérebro adulto. Nesse período, formam-se mais de 90% das conexões cerebrais.


As pesquisas mostram que pessoas que passaram pela Educação Infantil aprendem mais no Ensino Fundamental, têm menos chance de abandonar os estudos, são mais sociáveis e sofrerão menos futuramente de problemas como a gravidez precoce e o desemprego.


O que fez com que a Educação Infantil ficasse tão importante? Foi o avanço de vários campos de pesquisa.


Há muito tempo, os pedagogos e os psicólogos sabiam da importância da Educação Infantil. Mas com as descobertas dos cientistas acerca do crescimento do cérebro, principalmente a partir dos anos 1980, que se ampliou a compreensão como essa fase do desenvolvimento é especial.

Hoje se sabe, por exemplo, que a inteligência não se define apenas pelo peso da herança genética. Estudos diversos mostram que o cérebro se desenvolve especialmente na interação com o meio.


Em palavras mais simples, os estímulos que a criança recebe representam uma parte fundamental do desenvolvimento intelectual. São estímulos importantes, por exemplo, a quantidade de palavras que a criança ouve, a diversidade de situações que vive, as possibilidades de movimento físico (a criança aprende também quando seu corpo se move e explora o espaço), as oportunidades de expressão de suas emoções e de suas perguntas sobre tudo.


Mas as pesquisas mostram mais. Não basta estimular. Para aprender e se desenvolver de forma integral, é preciso que a criança sinta-se segura, protegida, em um ambiente repleto de afeto. Sem amor, há pouco aprendizado. 

Por fim, hoje sabemos que embora estejam ávidas para aprender, as crianças de 3 a 5 anos não aprendem como os alunos mais velhos. Um dos processos mais importantes para o seu desenvolvimento sadio é o brincar. Brincando, elas fantasiam sobre a vida, sobre o mundo dos adultos, sobre as coisas que as cercam. Brincando, aprendem a se relacionar e a compreender as próprias emoções e dos outros.

Crianças que passaram por uma escola de Educação Infantil de qualidade, que foram estimuladas adequadamente, que tiveram a chance de brincar, explorar o mundo, aprender, não apenas têm depois melhor desempenho na escola, como são também mais estáveis emocionalmente, são mais seguras. Têm mais chances de se tornarem adultos realizados.

Embora os educadores conheçam a importância da Educação Infantil, nem sempre a sociedade percebe o valor educativo que ela tem.

Demanda antiga do movimento feminino, quando as mulheres começaram a ingressar no mercado de trabalho, a Educação Infantil nasceu mais como uma assistência à família. Por isso, muitas pessoas ainda a veem, erroneamente, como um lugar de cuidados. 

terça-feira, 18 de outubro de 2011

INMETRO para crianças. Imperdível!

Mais uma dica do Ciranda!

O INMETRO lançou um site muito legal, dedicado a turma dos pequenos  e, certamente, direcionado a gente grande que tem um baixinho por perto.  

Tem um filme sobre medições (também disponível para Download); tem jogos e o mais interessante: revistas em quadrinho, que podem ser folheadas virtualmente, dando muita informação sobre o tema SEGURANÇA das crianças.  São orientações fundamentais sobre os cuidados domésticos e sobre como evitar acidentes infantis.

Vá lá. Você vai gostar! Acesse http://www2.inmetro.gov.br/crianca/



Para saber mais: 
INMETRO é a sigla do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial.  Navegando no site www.inmetro.gov.br  você encontrará muito conteúdos de seu interesse.  

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Dica do Ciranda: “10 Galinhas”

Livro de Ivo Minkovicius, publicado pela Editora de Cultura, “10 Galinhas” se apresenta com riquíssimas ilustrações e um texto muito motivador, contribuindo para que a criançada amplie a noção de números, relacionando cardinais e ordinais.    

E tem mais! "10 Galinhas" foi selecionado no PNBE 2012!


Vale investir nessa dica!

Seguem as especificações do livro:
  Texto e Ilustrações: Ivo Minkovicius
  Projeto Gráfico, Diagramação e Capa: Dagui Design
  Formato: 20x20cm
  nº de páginas: 28
  Editora de Cultura  Preço de capa: R$ 24,90

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

DIA DA CRIANÇA!

A EQUIPE DO CIRANDA DESEJA QUE TODA CRIANÇA POSSA COMEMORAR SEU DIA  DE FORMA INTENSA E FELIZ. E QUE ESSA COMEMORAÇÃO SE REPITA NOS 365 DIAS DO ANO, POR SE SENTIR SEGURA, CUIDADA, AMADA E RESPEITADA. 
Direito de criança

Criança que é criança
Precisa de atenção!
Não importa se é branca ou negra,
Menino ou menina
Criança é sempre criança....
Gostam de brincar
De bola ou de boneca
De correr ou de pular
De sorrir e não de chorar
Mas criança...
Embora seja sempre criança
É igual e diferente
A começar pelo nome
Cada uma tem o seu
E se tem alguém com o mesmo
Ela tem o sobrenome
É isso que a faz
Ser diferente das iguais
Pois o nome que lhe deram
A fizeram especial...
Iguais ou diferentes
Todas elas têm direitos
Saúde, casa, alimentação
Socorro, lazer e educação
É dever de todo mundo
Cuidar bem das nossas crianças
Elas precisam e merecem
Muita paz e esperança!
Autora: Rita de Cássia Crispim Guimarães 


O Projeto Ciranda defende o direito da criança de ser criança.  Para o Ciranda, a Educação Infantil deve proteger a criança e garantir que ela se desenvolva de forma saudável e íntegra.